“Raramente nasce um grande talento que na criação de suas obras na seja excêntrico e caprichoso, e é raríssimo que a natureza crie uma pessoa dotada de alma e intelecto sem que, como contrapeso, lhe dê a arrogância…” Assim inicia a breve biografia de Paolo Uccello contada por Giorgio Vasari no livro Vida dos Artistas.

Retrato Paolo Uccello - Louvre
Retrato Paolo Uccello – Louvre

Paolo di Dono, conhecido como Paolo Uccello (pássaro em italiano) por sua paixão em retratar pássaros, foi um importante intérprete da pintura florentina na primeira metade do século XV. Nasceu em Florença em 1397, filho de Dono di Paolo, barbeiro e cirurgião em Pratovecchio.

A formação

A formação de Paolo Uccello foi inicialmente baseada no estilo gótico, depois ele evoluiu com a adoção da perspectiva e do poder plástico de Masaccio e Brunelleschi.

As informações sobre sua formação são escassas, sabemos que em 1407, com apenas dez anos, ele era aprendiz na oficina de Ghiberti, junto com Donatello e Masolino da Panicale, onde passou alguns anos colaborando na construção da porta norte do Batistério.

O mago da perspectiva

Uccello era obsecado pela perspectiva, a qual dedicava noites e noites de estudos tentando entender o ponto de fuga, dando assim, um impulso fundamental à adoção desse método figurativo.

Estudos de perspectiva Paolo Uccello - Desenho de vaso - Galleria degli Uffizi, Florença.
Estudos de perspectiva Paolo Uccello – Desenho de vaso – Galleria degli Uffizi, Florença.

O grande escultor Donatello que foi muito amigo de Ucello, lhe dizia diversas vezes: “Paolo, essa tua perspectiva te faz deixar o certo pelo incerto.” Isso acontecia porque Paolo mostrava todos os dias a Donatello um desenho de um círculo com faces em perspectivas, bem como os de ponta de diamante. Ele também representava dificílissimas esferas de setenta e duas faces.

As principais obras

Em 1414, Uccello se matriculou na Compagnia di San Luca e em 15 de outubro de 1415 na arte dos médicos e boticários. As crônicas da época diziam que, até 1424, Uccello pintou várias obras, todas perdidas ou difíceis de atribuir porque foram feitas no estilo gótico tardio, como a Criação e o Pecado Original (Claustro Verde, Santa Maria Novella) ou a Madonna del Beccuto, afresco destacado que remonta ao anos de 1420-1425 e é mantido no Museu Nacional de San Marco, em Florença

No período de 1425 a 1430, ou seja, nos anos que surgem as grandes criações de Masaccio, Uccello foi para Veneza e provavelmente ali pintou a Anunciação, hoje preservada em Oxford.

Retornando a Florença em 1431, quando as novas correntes estilísticas se estabeleceram com obras de artistas como Masaccio e Donatello, Ucello criou as decorações do Claustro Verde de Santa Maria Novella com Histórias da Gênesis.

Não recebendo outras grandes encomendas em Florença, decidiu ir a Bolonha, onde realizou a Adoração da Criançana igreja de San Martino, da qual restam apenas fragmentos, e talvez o Retrato de um Jovem, hoje em Indianápolis.

Retornando a Florença em 1432, ele pintou as Histórias Franciscanas em Santa Trinita, quase completamente destruídas. Dessas cenas de São Francisco, mencionadas como de Paolo Uccello por Manetti e também por Albertini, só resta um serafim muito danificado, que fazia parte da Estigmatização de São Francisco.

Em 1435, Uccello foi contratado para decorar a Capela da Assunção na Catedral de Prato, com uma série de afrescos, incluindo o Beato Jacopone da Todi, agora preservado o Museu Cívico da mesma cidade. Em algumas obras de Prato, notamos a evolução do estilo do artista, que abraça cada vez mais as inovações renascentistas.

Relógio Duomo de Florença - Paolo Uccello
Relógio Duomo de Florença – Paolo Uccello

Retornando a Florença em 1436, ele foi contratado para decorar o Relógio de Santa Maria del Fiore e fazer os desenhos para os vitrais da cúpula.

Em 1445, Uccello foi a Pádua a convite de Donatello, e no Palazzo Vitaliani fez algumas figuras de gigantes, hoje perdidos.

De volta a Florença, entre 1447 e 1465, criou várias obras, muitas das quais foram perdidas. Os sobreviventes são as Histórias dos Santos Eremitas, no claustro de San Miniato al Monte, os episódios da Batalha de San Romano, divididos em várias partes preservadas em Londres, Paris e nos Uffizi, as Tebaide, mantidas na Galleria dell’Accademia, a Crucificação, hoje em Nova York, e duas versões de São Jorge e o Dragão, uma preservada em Londres e a outra em Paris.

Tebaide - Paolo Uccello - Galleria dell'Accademia - Florença.
Tebaide – Paolo Uccello – Galleria dell’Accademia – Florença.

Chamado pelo duque Federico di Montefeltro, Ucello foi para Urbino entre 1465 e 1468, onde criou um painel no qual permanece a predela que representa o Milagre da Ostia Profanada, mantida na Galleria Nazionale delle Marche. A pintura da Caça Noturna, hoje em Oxford, também deve remontar ao mesmo período.

A morte

Retornando a Florença no final de 1468, o agora idoso Paolo Uccello passou alguns anos de inatividade, dos quais alguns desenhos permanecem nos Uffizi. Ele morreu em dezembro de 1475 e foi enterrado na igreja de Santo Spirito.

Paolo Uccello foi a fonte de inspiração para Piero della Francesca, mas ele não teve alunos diretos, embora alguns de seus trabalhos sejam atribuídos a colaboradores hipotéticos chamados Mestres, como a Adoração do Mestre de Karlsruhe e a Predela de Quarate do Mestre homônimo. A ausência de evidências concretas sobre a existência de seus alunos sugere que os vários mestres são apenas pseudônimos de Paolo Uccello.


Cristiane de Oliveira

Brasileira do Rio de Janeiro, vive em Florença ha 12 anos. Apaixonada por arte, historia e bons vinhos. Guia de turismo e sommelier na Toscana.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *