Antiga cidade etrusca, Populonia é localizada na ponta norte do promontório de Piombino, com uma bela vista do mar.

A porta de acesso do Burgo de Populonia
A porta de acesso do Burgo de Populonia

Cercada pela natureza, esse local era um dos doze centros da Dodecapoli, cidades-estados que faziam parte da Etrúria. Populonia foi a única cidade etrusca fundada na costa da Toscana. Ainda hoje contém muitos tesouros, de épocas diferentes.

Entre as mais importantes cidades etruscas, Populonia, consolidou-se, a partir da Idade do Ferro (século IX aC), como ponto de desembarque e ponto de encontro estratégico entre as rotas do Tirreno que ligavam a Sardenha e Córsega à Etrúria.

Entre os séculos VI e IV a.C., Populonia se tornou o principal centro de processamento de hematita no Mediterrâneo, um minério de ferro o qual a ilha de Elba, localizada em frente à Populonia, era rica.

Populonia, como muitas outras cidades etruscas, era dividida em cidade baixa e cidade alta: a parte inferior, localizada fora do circuito da muralha defensiva, concentrava-se as atividades portuárias e metalúrgicas, além de ser ocupada pela necrópole, enquanto no topo do promontório era localizada a acrópole, com as casas e os templos.

As Necrópoles

As necrópoles etruscas são visitáveis dentro do Parchi della Val di Cornia. Em frente ao mar, no Golfo di Barati encontramos a necrópole do século VII-V a.C, com tumbas monumentais que pertenciam a classe alta da sociedade etrusca de Populonia.

Um pouco mais acima, nas colinas, encontramos as necrópoles datadas do IV-III século a.C., com as tumbas chamadas de ipogee ou seja, subterrâneas, escavadas nas rochas e acessíveis através de escadas de pedras.

A cidade alta

Os vestígios mais antigos de Populonia remontam ao século IX aC, quando foram construídas as grandes cabanas no topo do Promontório. Como todas as cidades etruscas, Populonia também experimentou declínio com o crescimento progressivo do poder de Roma, sofrendo também uma destruição muito grave nas mãos de Silla durante a guerra civil contra Mario.

Sabemos pouco sobre a conquista romana de Populonia, mas é certo que no século II a.C., a antiga cidade etrusca já fazia parte da influência política de Roma. No parque arqueológico é possível visitar os restos da cidade romana de Populonia.

Já no I século depois de Cristo, a cidade estava deserta, com casas em ruínas e fornos abandonados. Nos séculos seguintes, houve tentativas de reativar o porto e as atividades industriais ligadas a ele, mas, em geral, a vida na cidade nunca recuperou grande vigor, devido principalmente às invasões de piratas aos quais a cidade era exposta.

Populonia renasceu como uma pequena vila medieval do século XV, localizada no topo na colina com vista para o belo Golfo de Baratti. A vila ainda é dominada pela enorme fortaleza e é articulada ao longo de quatro ruas estreitas.

A Fortaleza de Populonia

A Fortaleza de Populonia

O complexo fortificado que vemos hoje é composto por dois elementos principais: a torre e o recinto defensivo que a cerca.

A Torre da Populonia, também chamada Torre dell’Assunta, foi construída durante o século XII por Pisa e, durante séculos, constituiu um elemento fundamental no sistema de defesa marítima e terrestre do território.

A Torre inicialmente era um simples paralelepípedo realizado com blocos de pedras arenária, na qual se abria uma pequena porta de ingresso. O acesso à torre era feito com uma escada removível.

Na parte inferior da torre, foi construída uma cisterna para coletar água da chuva, com cerca de 5,30 m de profundidade. A reserva de água era para cobrir as necessidades das tropas e, mais tarde, serviu para resfriar artilharia pesada (bombas e canhões posteriores).

Torre medieval Populonia.
Torre Medieval de Populonia

Da torre é possível admirar um panorama de tirar o fôlego que abrange todo o promontório de Piombino, as ilhas do Arquipélago Toscano, Elba, Capraia e Gorgona, até a costa da Córsega, o esplêndido Golfo de Baratti emoldurado pelas Colinas Metalíferas de Campigliese.

O recinto defensivo que cerca a torre foi construído provavelmente no século XV por Jacopo II Appiani.

O Burgo fortificado dos Appiani

O centro fortificado foi construído no início do século XV pela vontade dos Appiani, Senhores de Piombino, como baluarte defensivo ao longo da fronteira norte do nascente Estado de Piombino. Em cima da porta de acesso à cidade é preservado o brasão da família, com dragão alado, capacete cavalheiresco e fitas alegóricas, obra do escultor florentino Andrea Guardi (ca. 1405 – 1476).

Para incentivar a população a se mudar para Populonia, os Appiani equiparam a vila com muralhas defensivas, criando assim o “Castello” ou seja, um verdadeiro burgo fortificado, um fenômeno bastante comum no final da Idade Média.

A igreja de Santa Croce

Igreja de Santa Croce - Populonia
Igreja de Santa Croce – Populonia

Na praça principal de Populonia encontra-se Santa Croce, uma pequena igreja românica provavelmente construída entre os séculos XII e XIII. O edifício passou por inúmeras restaurações, os quais trouxe à luz partes de um afresco com figuras de santos e um sarcófago de mármore que remonta ao século III dC. reutilizado como um altar.

O Museu Etrusco: Coleção Gasparri

Museu Etrusco de Populonia - Anforas e objetos encontrados no mar.
Museu Etrusco de Populonia – Anforas e objetos encontrados no mar.

O Museu Etrusco de Populonia é o mais antigo de toda a região de Val di Cornia. Inaugurado em 1943 de acordo com testamento de Giulia e Tommaso Gasparri, reúne os achados arqueológicos da coleção particular da família, proprietária das terras de Baratti e Populonia.

A coleção etrusca do Museu Populonia Gasparri é uma pequena e sugestiva jóia da Toscana. Num pequeno roteiro expositivo concentram-se importantes achados arqueológicos que mostram ao visitante momentos da vida quotidiana dos etruscos, o culto aos mortos e o comércio marítimo no Mediterrâneo.


Cristiane de Oliveira

Brasileira do Rio de Janeiro, vive em Florença ha 12 anos. Apaixonada por arte, historia e bons vinhos. Guia de turismo e sommelier na Toscana.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *