A nossa ideia é utilizar a arte, principalmente aquela florentina, para ilustrar os principais acontecimentos narrados no Evangelho dos últimos dias da vida terrena de Jesus. A primeira obra é A Entrada de Cristo em Jerusalém de Santo di Tito.

O Domingo de Ramos

A Semana Santa, a qual recordamos a Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo, inicia com o Domingo de Ramos, que comemora a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém.

A entrada de Cristo em Jerusalém está presente nos quatro Evangelhos, porém, com algumas variações: Mateus e Marcos dizem que as pessoas acenavam com galhos de árvores ou ramos retirados dos campos, Lucas não menciona isso, enquanto João, fala de palmeiras (Mt 21: 1-9; Mc 11: 1-10; Lc 19: 30-38; Jo 12: 12-16).

Origem dos ramos

O episódio refere-se à celebração da festa judaica chamada Sucot, o “Festival das cabanas”, ocasião em que os fiéis judeus peregrinavam até Jerusalém e subiam ao templo em procissão. Cada um carregava na mão e acenava com o lulav, uma espécie de pequeno buquê feito de galhos de três árvores: a palmeira, símbolo de fé, a murta, símbolo de oração que se eleva em direção ao céu e o salgueiro, cujo formato das folhas recorda a boca fechada dos fiéis, silenciosa diante de Deus (Lv. 23,40).

A jornada era pontuada pelas invocações da salvação (Hosana, em hebraico Hoshana), que ao longo do tempo se tornara uma celebração da libertação do Egito: após a passagem do Mar Vermelho, durante quarenta anos, o povo judeu viveu em tendas, nas cabanas; e segundo a tradição, o esperado Messias apareceria durante esse banquete.

A entrada triunfal de Jesus

Jesus então entra em Jerusalém, sede do poder civil e religioso na Palestina, aclamado como um rei, apesar de estar montado em um burro, como sinal de humildade e gentileza. Os reis entravam com cavalos.
A multidão, que era muito grande, reunida pelos rumores da chegada do Messias, espalhou seus mantos no chão, enquanto algumas pessoas cortavam galhos das oliveiras e palmeiras, abundantes na região, e acenavam festivamente, honrando Jesus, exclamando “Hosana ao filho de Davi”! Bem-aventurado aquele que vem em nome do Senhor! Hosana nos céus! “.

Santi di Tito: A Entrada de Cristo em Jerusalém

A obra escolhida foi a Entrada de Cristo em Jerusalém de Santi di Tito, datada de 1582-83. Encomendada para o altar principal da igreja de San Bartolomeo em Monte Oliveto, desde de 1813, faz parte do acervo da Galleria dell’Accademia em Florença.

A obra, apesar de ser fiel a tradição iconográfica, não deixa de inserir pequenas novidades que conseguem movimentar a cena: o homem ajoelhado na passagem de Cristo, um menino com uma mulher (seria a sua mãe?) à direita, e o jovem vestido de vermelho à esquerda.
Em segundo plano, dois homens arrancam folhas das oliveiras, enquanto uma multidão de homens surge no alto das muralhas da Cidade Santa.

A obra mostra uma especial atenção de Santi di Tito aos diferentes tipos de representação do ser humano, especialmente os sentimentos de afeto nas histórias sagradas.

Achou este artigo interessante?
Compartilhe em sua rede de contatos do Twitter, no seu mural do Facebook. Compartilhar o conteúdo que você considera relevante ajuda esse blog a crescer. Grazie!


Cristiane de Oliveira

Brasileira do Rio de Janeiro, vive em Florença ha 12 anos. Apaixonada por arte, historia e bons vinhos. Guia de turismo e sommelier na Toscana.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *