Em 1471 foi eleito Papa Francesco della Rovere, com o nome de Sisto IV. A sua ambição era sem medidas e a sua única intenção durante o seu papado foi obter benefícios econômicos para si e para sua família. A sua ação política foi direcionada especialmente na procura de um estado que fosse governado pelo seu sobrinho preferido: Girolamo Riario.

Florença seria perfeita, mas tinha um grande problema: expulsar os poderosos Medicis! Por esse motivo, Sisto IV não fez absolutamente nada para obstaculizar a famosa Conspiração dos Pazzi, ocorrida em 26 de abril de 1478 durante a qual Lorenzo, o Magnífico foi ferido e o seu irmão Giuliano foi cruelmente morto durante a missa de Pascoa na Catedral Santa Maria del Fiore.

A conspiração não teve a esperada aclamação popular e assim Lorenzo manteve o poder da cidade. A vingança de Lorenzo foi exemplar: todos os conspiradores foram executados, incluindo o arcebispo de Pisa Francesco Salviati, que foi enforcado no Palazzo della Signoria.

Mesmo assim, Sisto IV, não se deu por vencido. Inicialmente excomungou Lorenzo, depois confiscou os bens da família em Roma e finalmente solicitou que Florença lhe entregasse o jovem Medici. Obviamente a resposta foi negativa e a guerra era quase inevitável: Florença deveria combater não somente com o Papa, mas com Lucca, Siena e especialmente com Nápoles.

Papa Sisto IV – Tiziano – Uffizi

Foi neste momento que emergiu os dotes políticos de Lorenzo. De um lado, Lorenzo rejeitou a ajuda oferecida pelo rei da França Luís XI, pois sabia que mais cedo ou mais tarde, deveria pagar um preço muito alto por isso, mas do outro lado, decidiu ir pessoalmente em Nápoles, negociar com o rei Fernando de Aragona.

E assim, no dia 05 de dezembro de 1479, Lorenzo foi para Pisa onde embarcou no navio napolitano, ou seja, ele se entregou nas mãos do inimigo. Com seus hábeis dotes diplomáticos, o Magnífico conseguiu convencer o rei Fernando que uma aliança com o Papa era, por natureza, mutável, porque morto um papa, será eleito outro, e muito provavelmente não será um Della Rovere.

Lorenzo o Magnifico dos Medici – Giorgio Vasari – Galleria degli Uffizi, Florença

Após três meses de acordo, Lorenzo que já havia recuperado os territórios perdidos com a guerra, retornou triunfante a Florença. Com a sua diplomacia, Lorenzo tinha conseguido convencer os poderosos chefes de estados italianos que as lutas contínuas na península, poderiam determinar a intervenção das potências europeias, a ocasionar a perda da independência.

Foi assim que Lorenzo o Magnífico recebeu o apelido de “Ago della Bilancia” (agulha da balança) da política italiana. Mesmo assim a ambição de Sisto IV, só teve fim após a sua morte, ocorrida em 1484.

Foi Papa Sisto IV que deu o nome a Capela Sistina. Como forma de fazer as pazes com o Papa, Lorenzo enviou a Roma, os melhores pintores florentinos, entre eles, Botticelli, Ghirlandaio, Perugino, para afrescar as paredes da Capela Sistina.

A morte de Lorenzo, O Magnifico

Na primavera de 1492 presságios atemorizantes assombraram toda Florença. Lobas uivavam para a lua. Luzes estranhas acendiam no céu. Dois dos leões favoritos da cidade se devoraram até a morte quando lutaram dentro de uma jaula. Naquela mesma noite, um raio atingiu a lanterna que ficava no topo da cúpula da catedral e arrancou uma das esferas que a sustentavam. A esfera caiu no chão e ficou em pedaços.

“Em qual direção ela caiu?”, perguntou Lorenzo de Medici, tão debilitado pela gota excruciante que já não podia mais andar ou até mesmo segurar uma “pena” para escrever. “Para o noroeste”, informaram-no, apontando para a direção de sua casa. “Isto significa que vou morrer”, ele disse.

A doença havia dilacerado o corpo de Lorenzo, “atacando não apenas as artérias e as veias”, como escreveu o seu amigo humanista Poliziano, “mas também os seus órgãos, o intestino, os ossos e até mesmo a sua medula”. Os médicos tentaram uma exótica combinação de pérolas pulverizadas e outras pedras preciosas para salvá-lo, mas isso não impediu que Lorenzo entrasse no Grande Mar da morte no dia 8 de abril de 1492 (algumas fontes falam do dia 09 de abril). Em desespero, seu médico pessoal se jogou em um poço. E assim, com a sua morte, Lorenzo o Magnífico deixa a Toscana e a Itália numa situação política muito complicada.

Provavelmente a causa da morte de Lorenzo, foi uma infecção viral, consequência direta da doença da família: a gota.

Máscara funebre de Lorenzo, o Magnifico. Gesso. Museo Tesouro do Grão-Duque, Palazzo Pitti, Florença.
Máscara funebre de Lorenzo, o Magnifico. Gesso. Museo Tesouro do Grão-Duque, Palazzo Pitti, Florença.

No Museu Tesouro do Grão-Duque, no Palazzo Pitti, é possível ver a máscara mortuária de Lorenzo. Os pintores de época posterior devem ter se inspirado neste documento impressionante – especialmente Vasari – para reproduzir o semblante do Magnífico.


Cristiane de Oliveira

Brasileira do Rio de Janeiro, vive em Florença ha 12 anos. Apaixonada por arte, historia e bons vinhos. Guia de turismo e sommelier na Toscana.

2 comentários

curso de mosaico · setembro 8, 2020 às 11:03 pm

Sou a Bruna de Souza, e quero parabenizar você pelo seu artigo escrito, muito bom vou acompanhar o seus artigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *