Após dois anos de trabalho, a Sala dos Elementos, no terceiro andar do Palazzo Vecchio, foi completamente restaurada.

A recuperação dos afrescos nas paredes e do teto, foi possível graças ao financiamento da Fundação Giulio e Giovanna Sacchetti Onlus. O custo das obras foi de cerca de 800 mil euros e está incluído no projeto Flic (Florence I care), que envolve pessoas privadas na restauração do patrimônio cultural da cidade.

O Quarteirão dos Elementos

A visita do segundo andar do Palazzo Vecchio começa com as salas do chamado Quartiere degli Elementi (Quarteirão dos Elementos). Estas salas eram as salas privadas de Cosimo I de’Medici. Nesta seção do palácio há: a Sala degli Elementi, a Sala di Opi, a Sala di Cerere com a escrivaninha de Calliope, a Sala di Giove, o Terraço de Giunone, a Sala de Hércules, o escritório de Minerva e o Terraço de Saturno.

Detalhe teto da sala dos elementos – Palazzo Vecchio

Cosimo I de’ Medici incialmente encomendou a construção das salas a Battista del Tasso. Após a morte de Del Tasso as decorações foram completadas por Vasari e colaboradores. Faziam parte da equipe de Vasari, Cristofano Gherardi conhecido como il Doceno e Marco Marchetti da Faenza, que em 1555 traduziu em imagens o programa iconográfico concebido pelo pensador da corte Cosimo Bartoli.

Cada sala do Quarteirão do Elementos é dedicada a uma divindade mitológica, à qual corresponde, no andar inferior, um personagem da família Medici. Giorgio Vasari, em seu livro Raggionamenti, explica a conexão escrevendo que ““non è niente di sopra dipinto, che qui di sotto non corrisponda” (não tem nada pintado em cima, que aqui embaixo não corresponda), porque os homens “que pelo dom celestial fazem na terra entre os mortais grandes feitos, assim como aqueles lá em cima no céu tinham o nome e título de deuses celestiais “. A sobreposição visava, portanto, celebrar as glórias e virtudes dos “deuses terrestres da famosa Casa de ‘Medici”, equiparando a ascensão ao poder da dinastia com a “origem dos deuses celestes”.

A Sala dos Elementos

A Sala, corresponde aquela subjacente de Leão X, é dedicada aos quatro elementos: Ar, Água, Fogo e Terra. Assim como os Elementos estavam na origem de todas as coisas, Leão X criou as premissas para a fundação do ducado Medici na Toscana.

As paredes da Sala dos Elementos foram decoradas com afrescos alegóricos que representam os quatro elementos Água (Nascimento de Vênus), Terra (Primazia da Terra oferecida e Saturno), Fogo (Forja de Vulcano) e o teto é decorado com a alegoria do Ar, com Saturno no centro mutilando o céu.

Teto da Sala dos Elementos. Alegorai do Ar com Saturno que mutila Urano.
Teto da Sala dos Elementos. Alegoria do Ar com Saturno que mutila Urano.

O ciclo começa a partir do teto central, dedicado ao Ar, com a evocação das origens do cosmos e dos quatro Elementos que foram gerados pelas sementes de Urano espalhadas por Saturno.

Alegoria da água: O nascimento de Vênus

As sementes de Urano caíram no mar e deram origem a Vênus, a deusa do amor, que em uma das paredes da sala se ergue das ondas cercadas por deuses do mar.

Alegoria da terra: Ceres, que dá os seus frutos a Saturno

A foice de Saturno caiu sobre a Terra e formou a ilha da Sicilia, onde é representada a cena na parede oposta à de Vênus. Aqui a deusa da terra, Ceres, dá seus frutos a Saturno, protetor da agricultura.

sala-dos-elementos-palazzo-vecchio

Na parede da lareira, Vulcano, deus do fogo, forja as flechas de Cupido assistido por sua esposa Vênus e os Cupidos, enquanto à direita, os Ciclopes, seus ajudantes, fazem as flechas de Júpiter.

Mercúrio e Plutão – Sala dos Elementos

Nas paredes entre as janelas podemos admirar Mercúrio e Plutão. Na base dos afrescos há 6 painéis com afrescos de Marco Marchetti da Faenza com cenas de luta entre as divindades marinhas. Marco da Faenza também é responsável pelos afrescos com cavernas localizados na parte inferior da janela. A lareira foi projetada por Bartolomeo Ammannati.

O restauro da Sala dos Elementos no Palazzo Vecchio

Desejas fazer uma visita guiada no Palazzo Vecchio? Entre em contato conosco e agende já a sua visita.


Cristiane de Oliveira

Brasileira do Rio de Janeiro, vive em Florença ha 12 anos. Apaixonada por arte, historia e bons vinhos. Guia de turismo e sommelier na Toscana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *