Já falamos como foi segunda guerra mundial em Florença e o vamos conhecer os danos provocados pela segunda guerra mundial em Pisa. De fato, em apenas sete minutos, as aeronaves aliadas, lançaram 400 toneladas de explosivos destruindo principalmente a parte sul da cidade.

Segunda Guerra Mundial em Pisa

O bombardeio de Pisa durante a Segunda Guerra Mundial ocorreu em 31 de agosto de 1943. A cidade foi bombardeada por aeronaves Boeing B-17, os chamados Flying Fortress das Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos, relatando sérios danos à infraestrutura urbana e ferroviária, bem como um número de mortes entre a população civil estimada entre 982 e 2.500 vítimas.

O tratado de paz com os aliados

Durante a Segunda Guerra Mundial, a partir de 15 de maio de 1943, os Estados Unidos começaram a bombardear algumas cidades italianas com o objetivo de atingir áreas estratégicas para enfraquecer o inimigo e aterrorizar a população, para induzir o país a se render.

Em 25 de julho de 1943, o Grande Conselho do Fascismo declarou sua desconfiança em Mussolini. O regime fascista caiu e o governo foi confiado a Pietro Badoglio, que imediatamente iniciou negociações com os Estados Unidos para chegar a um armistício assinado em 2 de setembro de 1943. No dia 31 de agosto de 1943, às 13:01, no entanto, os Aliados bombardearam a cidade de Pisa.

O Bombardeio de Pisa

Aeronave B-17

Não era possível prever o bombardeio, pois Pisa, devido ao seu rico patrimônio histórico era considerada salva das bombas, mas não foi assim…Mais de 150 aviões aliados partiram da Tunísia. As 12 horas começaram a tocar as sirenes, mas os pisanos já estavam acostumados aos alarmes, que não davam em nada, já que muitas vezes os aviões se dirigiam para outras cidades. Por este motivo, os pisanos perderam o costume de ir aos abrigos e continuaram como se nada tivesse acontecido. Só que naquele dia…

As aeronaves aliadas chegaram em Pisa por volta das 13 horas e às 13h01 começaram a lançarem as bombas nos primeiros objetivos: na central elétrica de Porta al Mare e depois na fábrica Saint Gobain, 367 bombas causaram 56 mortes entre os trabalhadores, quase todos mortos durante a pausa para o almoço. Foram mais de 2.500 casas destruídas, além da destruição das pontes e uma grande devastação nos Lungarni (as ruas ao longo do rio Arno).

Segunda guerra mundial em Pisa: a estação ferroviaria
A estação ferroviária de Pisa

A estação ferroviária foi completamente destruída, e as igrejas de Sant’Antonio e San Paolo a Ripa d’Arno foram danificadas gravemente. Foi salvo o complexo da Piazza dei Miracoli, mas em todas as partes da cidade houve morte e desolação.

O bombardeio durou cerca de sete minutos e causou nada menos que 982 mortes (algumas fontes também falam de cerca de 2.500 vítimas entre mortos e desaparecidos, mas nenhum dado oficial foi fornecido).

Os alemães e os italianos responderam ao ataque derrubando quatro aeronaves e a milícia para a defesa antiaérea territorial começou a disparar na direção dos aviões mas em vão, já que as bombas foram lançadas a uma altura de 9 km.

Os motivos do bombardeio

O verdadeiro motivo dos ataques aéreos dos aliados nunca foi explicado, provavelmente foi feito quando era em curso o tratado de paz, e a intenção era mostrar ao Rei da Itália e a Badoglio, os quais os aliados não confiavam, que não era possível mudar de ideia.

É possível, no entanto, que os Aliados previssem a descida dos alemães com o anúncio do Armistício, e que por essa razão eles quisessem “sabotá-los” bombardeando Pisa por causa de sua natureza “estratégica”. Pisa, na verdade, abrigava o aeroporto e a hidro porto, numerosas empresas dedicadas ao processamento militar e aeronáutico (em especial a FIAT e a Piaggio) e também constituía um importante centro ferroviário. Finalmente, em Pisa tinha o Canale dei Navicelli, que ligava a cidade diretamente ao porto de Livorno. Era apropriado, aos olhos dos Aliados, que tudo isso não caísse nas mãos dos alemães.

Imagem dos bombardeios em Pisa em 1943. Área de San Giusto, estação ferroviária, Porta a Mare
Imagem dos bombardeios em Pisa em 1943. Área de San Giusto, estação ferroviária, Porta a Mare

Durante a segunda guerra mundial em Pisa, a população urbana da cidade era composta de 40 mil pessoas, mas os abrigos antiaéreos à disposição eram improvisados ​​e suficientes apenas para abrigar um quarto da população. Isso, sem dúvida, ajudou a amplificar a tragédia.

O Campo Santo

O Camposanto após o bombardeio de 1944

Em 27 de julho de 1944, uma bomba aliada provocou um incêndio no Camposanto Monumental de Pisa. O incêndio queimou a madeira e derretou o chumbo do telhado, causando assim sérios danos aos afrescos e a destruição de muitas esculturas e sarcófagos. Muitas restaurações foram feitas ao longo das décadas, onde foram recuperadas as preciosas sinopias que são exibidas no Museu Sinopie.

Achou este artigo interessante?
Compartilhe em sua rede de contatos do Twitter, no seu mural do Facebook. Compartilhar o conteúdo que você considera relevante ajuda esse blog a crescer. Grazie!


Cristiane de Oliveira

Brasileira do Rio de Janeiro, vive em Florença ha 12 anos. Apaixonada por arte, historia e bons vinhos. Guia de turismo e sommelier na Toscana.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *