Em 1799, o Grão-Duque Ferdinando III de Lorena comprou esta obra de Rafael Sanzio, de um antiquário por 300 zecchini. A obra é de caráter religioso e de devoção privada. É considerada pelos historiadores a primeira obra de Rafael onde é possível notar a influência de Leonardo da Vinci.

O Grão-Duque e o quadro:

O Grão-Duque nunca se separava deste quadro, e desde então a obra se chama “Madonna del Granduca” (Nossa Senhora do Grão-Duque). Até mesmo durante a dominação napoleônica, quando Ferdinando foi para o exílio, levou a obra para Viena consigo.

A família grão-ducal realmente gostava muito da obra. Tanto é que quando Ferdinando III retornou à Florença, após o exílio, a obra foi exposta de fato nos seus aposentos no Palazzo Pitti.

O grão-duque permitia que a obra fosse mostrada em público apenas quando ele estava ausente de Florença. Em 1882, a obra foi colocada no local em que o vemos hoje, na Sala de Saturno do Palazzo Pitti.

A influência de Leonardo da Vinci

O quadro foi realizado por Rafael por volta de 1506-7, durante sua estadia em Florença entre 1504 e 1508, quando Michelangelo, Leonardo e Fra Bartolomeo estavam produzindo suas obras-primas na cidade.

Vindo de uma formação na botega de Perugino, o jovem Rafael amadureceu naqueles anos passados em Florença, abordando várias vezes o tema da Virgem e do Menino – também com pequeno São João ou São José. Rafael foi influenciado por uma maneira mais monumental de pintura, mais volumétrica obtida com um claro-escuro sutil derivado do sfumato de Leonardo. Rafael estimulou a sua atenção para expressões de afetos em direção a uma maior intensidade emocional.

Descrição da obra

É uma das obras mais amadas de Rafael, onde o artista demonstra sua capacidade de representar o sagrado de forma muito humana. Na obra, a Virgem Maria é retratada em pé, com o Menino nos braços; Vestita de vermelho e azul, Maria parece caminhar em direção do expectador.

Enquanto Maria olha para baixo tristemente, o Menino Jesus olha diretamente o expectador, um verdadeiro convite para contemplar aquele rosto doce e sério. Toda a composição comunica, em sua simplicidade, o profundo relacionamento de afeto que os une e a dolorosa consciência do futuro sacrifício de Cristo.

A Virgem dos Cravos – Leonardo da Vinci

A composição não nasceu com o fundo escuro: os exames radiográficos realizados pelo Opificio delle Pietre Dure revelaram que, sob a cor preta que circunda as figuras, existia um interior com pilares sustentando arcos e um vislumbre de uma paisagem à direita, como visto na Madonna dei Garofani (A Virgem dos Cravos) ou na Sagrada Família de São Petersburgo.

O raio X mostra a camada da pintura coberta pelo fundo preto pintado nas laterais da Madonna e da Criança (1) com, atrás, uma balaustrada (2) e uma paisagem (3); uma estrutura atrás da Madonna (4) e outra estrutura é visível à esquerda (5)

Um cenário que acentuava o tom doméstico da imagem. Portanto, é plausível que, posteriormente, foi decidido eliminar o fundo a fim de satisfazer as necessidades da mudança de gosto e deixar o grupo central no magnífico isolamento que vemos hoje.

O Gabinete de Desenhos e Impressões da Galleria degli Uffizi preserva o estudo composicional de Rafael desta obra.

Desenho compositivo Rafael – Foto Galleria degli Uffizi

No desenho é possível acompanhar o processo criativo de Rafael que, antes de chegar à solução pictórica definitiva, considerou diferentes possibilidades.

A princípio, o artista enquadrou a Virgem e o Menino em uma paisagem dentro de uma moldura inicialmente circular e depois oval; depois, optou por uma forma retangular, que corresponde à versão pintada.

No desenho, Maria segura o Filho com o braço esquerdo, enquanto a direita está no colo, em uma pose que lembra, como suas roupas, a moldura circular desenhada na primeira fase.

Na pintura, a relação entre as figuras foi alterada: a Virgem apóia a Criança com os dois braços, o busto parece mais frontal e as cabeças mais próximas, numa pose que denota uma reflexão sobre os modelos do século XV, em especial Perugino e Luca della Robbia.

O naturalismo da imagem é acentuado pela condução gráfica: um sinal luminoso em pedra negra molda as figuras com um acentuado claro-escuro que parece derivar de Leonardo.

A obra, como tantas outras de Rafael, faz parte do acervo da Galleria Palatina em Florença.

Achou este artigo interessante?
Compartilhe em sua rede de contatos do Twitter, no seu mural do Facebook. Compartilhar o conteúdo que você considera relevante ajuda esse blog a crescer. Grazie!


Cristiane de Oliveira

Brasileira do Rio de Janeiro, vive em Florença ha 12 anos. Apaixonada por arte, historia e bons vinhos. Guia de turismo e sommelier na Toscana.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *