As feridas causadas durante a segunda guerra mundial, ainda são sentidas nas coleções dos museus florentinos. Assim, nos primeiros dias do mês de janeiro, o diretor das Gallerie degli Uffizi (e Palazzo Pitti), o alemão Eike Schmidt , fez um pedido ao seu país: que seja restituíto à Florença o quadro roubado pelos nazistas conhecido como “Vaso de Flores”, do pintor holandês Jan van Huysum.

O quadro foi roubados pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Atualmente, a obra pertence a uma família alemã (provavelmente os herdeiros do soldado que roubou o quadro) que, depois de todo esse tempo, apesar dos inúmeros pedidos do Estado italiano, não restituiu o quadro ao museu. Eike Schmidt divulgou o seu pedido de devolução da obra através da Internet (no site do Uffizi e nos perfis sociais do complexo de museus).

A pintura em questão é uma obra-prima de Jan van Huysum (Amsterdam 1682-1749), famoso pintor de natureza morta. Trata-se de um óleo sobre tela, 47 x 35 cm, que fazia parte das coleções do Palazzo Pitti desde 1824, quando foi comprada pelo Grão-Duque Leopoldo II para a recém-fundada Galleria Palatina.

Por mais de um século, o Vaso de Flores de Jan van Huysum permaneceu exposto na Sala dos Putti, no Palazzo Pitti, juntamente com outras obras holandesas de natureza morta feitas pelos maiores artistas de 1600 e 1700 entre eles Rachel Ruysch e Willem van Aelst.

Em 1940, quando o palácio Pitti foi evacuado no início da guerra, a obra foi levada para a villa Medici de Poggio a Caiano. Em 1943 a obra foi transferida para o Villa Bossi Pucci, em Florença, até que os soldados do exército alemão em retirada a roubou juntamente com outras obras. Desde de então, foram as perdidas as pistas da obra.

Somente no ano 2000, depois da reunificação alemã é que tivemos noticias do quadro roubado pelos nazistas, o Vaso de Flores de Jan van Huysum. Desde então, diversos intermediários tentaram várias vezes entrar em contato com as autoridades italianas pedindo um resgate no valor de 500.000 euros. Um pedido absurdo, já que a obra pertence ao Estado Italiano e foi retirada do território de forma ilegal e, portanto, não pode ser vendida.

Após a última oferta ultrajante, o promotor de Florença abriu uma investigação, onde os carabinieri do núcleo de proteção do patrimônio artístico identificaram quem é o proprietário da obra, mas não o lugar onde ela é conservada. Mas a coisa mais difícil parece ser a parte legal. De fato, quando a Itália pediu a repatriação do quadro, as autoridades alemãs alegaram que, no caso específico, eles não acham que se trata de roubo, portanto, a natureza morta de van Huysum permanece na Alemanha.

Foto: Gallerie degli Uffizi

Eike Schmidt faz um apelo a Alemanha solicitando o cancelamento prescrição do crime de obras roubadas durante o conflito e garantia que elas possam retornar aos seus legítimos proprietários. Schmidt diz ainda que a Alemanha tem um dever moral de devolver a obra ao museu, juntamente, obviamente, com todas as obras que foram saqueadas pelo exército nazista.

Uma reprodução em preto e branco do “Vaso de Flores” de van Huysum (criada por Alinari), foi colocada simbolicamente por Schmidt na Sala dos Putti no Palazzo Pitti, com placas com a palavra roubada em três idiomas, italiano, inglês e o alemão. “Nós ficaremos felizes em remover esta memória fotográfica – concluiu Schmidt – quando o original será devolvido ao Uffizi.”

Se desejas saber mais sobre as obras de arte roubadas em Florença durante a segunda guerra mundial, não deixe de ler o nosso artigo Rodolfo Siviero, o 007 da arte italiana.


Cristiane de Oliveira

Brasileira do Rio de Janeiro, vive em Florença ha 12 anos. Apaixonada por arte, historia e bons vinhos. Guia de turismo e sommelier na Toscana.

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.