Giuliano de’Medici, Duque de Nemours- Rafael Sanzio

Giuliano de’Medici, duque de Nemours, (Florença 1479 – Roma 1516) era filho de Lorenzo, o Magnífico e Clarisse Orsini. Foi governador de Florença e após a eleição em 1513 do seu irmão Giovanni como Papa Leão X, foi chamado a Roma e nomeado capitão geral da Igreja em Roma.

Alguns retratos de Giuliano Duca di Nemours são famosos, em particular aquele realizado por Rafael Sanzio, que o exibe diante de uma pesada cortina verde com uma paisagem romana no fundo que revela a vista do Castel Sant’Angelo (foto acima).

Culto, era discípulo de Poliziano, e liberal, recebeu do Papa Leão X em 1515, a senhoria de Parma, Piacenza, Modena e Reggio. De caráter tranquilo, como o seu tio e homônimo e mais famoso Giuliano de’Medici (irmão de Lorenzo, o Magnífico), vítima da conspiração dos Pazzi, o Duque de Nemours não era ambicioso e não lhe interessa muito os títulos e a glória.

O título de Duque de Nemours

Em 1515 Giuliano foi enviado a França como representante pontíficio da corte francesa. Do rei da França, Francisco I, recebeu o título de Duque de Nemours, com o qual ficará conhecido na história.

Na França, Giuliano esposou Filiberta de Savoia, a jovem tia do Rei Francesco I, mas a sua morte prematura impediu o casal de ter filhos. O único descendente de Giuliano Duca di Nemours foi Ippolito de ‘Medici, um filho ilegítimo nascido da relação clandestina com Pacifica Brandani, que morreu pouco após o nascimento de Ippolito.

Pacifica Brandani e Ippolito de’Medici

Alguns historiadores afirmaram que o duque Giuliano encomendou a Leonardo da Vinci em abril de 1515 um quadro em memória da sua amante Pacifica Brandani. A amante de Giuliano, segundo os estudos do historiador Carlo Pedretti, pode ser a mulher que é retratada na famosa pintura da Mona Lisa do Louvre.

Quando Giuliano morreu, Ippolito tinha apenas cinco anos de idade. Após a morte do pai, o pequeno Ippolito foi recebido sob a asa protetora de seu tio Papa Leão X e mais tarde pelo cardeal Giulio de ‘Medici, que o iniciou na carreira eclesiástica.

A morte e o túmulo de Giuliano, Duque de Nemours

Giuliano de’Medici, Duque de Nemours, morre no dia 17 de março de 1516, na Badia Fiesolana com 36 anos de idade. Sua morte será muito sentida em Florença e principalmente pelo Papa Leão X.

Tumulo Giuliano de’Medici duque de Nemours – Michelangelo -Sacristia Nova- Florença

O túmulo de Giuliano de ‘Medici Duque de Nemours foi encomendado a Michelangelo para a Nova Sacristia, uma obra-prima de escultura, arquitetura e magnificência renascentista. Famosas são as alegorias do dia e da noite, que emolduram o retrato de Giuliano nas vestes de um general romano.

Quando as pessoas diziam á Michelangelo que a verdadeira face do duque de Nemours não era muito semelhante à sua estátua, o escultor florentino costumava responder que as gerações futuras não se recordariam das feições reais de Giuliano e o mundo se lembraria das características de sua escultura como se fosse aquelas reais.

Achou este artigo interessante?
Compartilhe em sua rede de contatos do Twitter, no seu mural do Facebook. Compartilhar o conteúdo que você considera relevante ajuda esse blog a crescer. Grazie!


Cristiane de Oliveira

Brasileira do Rio de Janeiro, vive em Florença ha 12 anos. Apaixonada por arte, historia e bons vinhos. Guia de turismo e sommelier na Toscana.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *